Dia do Folclore

Folclore é “tudo que surge espontaneamente do povo e espontaneamente por ele é aceito, sem influencia erudita.” (autor desconhecido)
Para comemorar o Dia do Folclore (22 de Agosto) na biblioteca, sempre aconteciam atividades lúdicas e informativas. Em algumas destas atividades se escolhia um personagem que caracterizasse os costumes de alguma região brasileira, ou que fizesse parte das suas lendas ou mitos. Além de um canto decorado de acordo com o assunto escolhido, personagens vestidos como tal interagiam com os usuários da biblioteca. Isto acontecia sob a supervisão da bibliotecária, cuja participação era muito importante no diálogo que visava encantar, mas também transmitir conhecimento. A cada ano era escolhido um outro personagem e a comemoração durava uma semana. Cada dia um aluno diferente era escolhido para representar o personagem em horário oposto ao de suas aulas, para que seus estudos não fossem prejudicados.
Alguns exemplos destas atividades:

 

UMA SEREIA NA BIBLIOTECA
Apesar da  nossa sereia brasileira chamar- se Iara, nesta comemoração do Dia do Folclore resolvemos escolher aquele tipo de sereia mais conhecido nas histórias infantis.

Folclore - Sereias001 Um interessante cenário foi armado em um canto da biblioteca, onde a sereia ficava reclinada, com sua longa cauda verde-água. Usava colares e pulseiras de conchinhas e pérolas, e trazia flores em seus longos cabelos verdes (uma peruca de fantasia feita de finas tiras de plástico). Um pano azul à sua frente fazia de conta que era o mar, onde se achavam uma caravela naufragada, âncoras de navios perdidos, um baú cheio de joias e também estrelas do mar verdadeiras. Como sempre, um diálogo era ensaiado previamente com a bibliotecária, e também uma boa quantidade de possíveis perguntas que as crianças pudessem querer fazer à sereia eram também combinadas. Informações sobre a vida das sereias, suas histórias, e curiosidades sobre elas eram passadas desta maneira para quem visitasse a biblioteca naquela semana do Folclore.

 

SACI PERERÊ
Desta vez os meninos foram convocados para a tarefa que não era fácil, pois o Saci Pererê tem uma perna só, lembram?

Folclore - Saci001 Um cenário foi construído de forma que o Saci ficasse sentado meio de lado, com uma das pernas escondida. Um diálogo previamente ensaiado entre a bibliotecária e o personagem transmitia informações sobre ele e suas engraçadas histórias. Também eram imaginadas as perguntas que as crianças poderiam fazer a ele, e combinadas as respostas. Em caso de surpresas, a bibliotecária ajudava.

 

BAIANA VENDEDORA DE COCADAS
Nesta ocasião uma aluna, caracterizada de baiana, sentada em um cenário montadoFolclore - Baianas001 dentro da biblioteca, vendia em seu tabuleiro gostosas cocadas (que eram adquiridas de pessoas que sabiam fazê-las bem).

Informações sobre a culinária baiana, costumes e trajes típicos usados na região, eram transmitidos ao mesmo tempo. A comemoração durava uma semana, como sempre.

 

UMA BRUXA NA BIBLIOTECA
Com a ajuda de um biombo, um canto da biblioteca foi transformado na Casa da Bruxa, nesta comemoração do Dia do Folclore.

 

Foi instalada uma pequena estante cheia de potes com os misteriosos ingredientes necessários para os trabalhos bruxólicos, e um grande panelão sobre uma fogueira fictícia.Folclore - Bruxas002

A bruxa conversava enquanto trabalhava, misturando no panelão “Sangue de cobra”, “Terra de cemitério”, “Pelo de aranha caranguejeira” e outras coisas mais…O diálogo previamente combinado com a bibliotecária se desenrolava de forma natural, passando curiosidades e informações sobre o tema. Folclore - Bruxas001

 

 

Na hora em que surgiam perguntas, a bibliotecária ajudava a bruxa a responder, se ela não lembrasse bem do que havia sido ensaiado.

 

 

UMA FADA NA BIBLIOTECA
Esta atividade obteve muito sucesso, pois além do diálogo que acontecia entre a bibliotecária e a personagem, esta realizava, com sua varinha de condão, diversas mágicas que encantavam as crianças.

Folclore - Fadas001 Diversos truques eram realizados pela fadinha, os quais haviam sido previamente ensaiados com ela. Tudo era feito com simplicidade, da forma mais espontânea possível. Uma destas “mágicas” funcionava assim: diversas estrelinhas prateadas, presas em um fio de nylon bem fino estavam escondidas na parte de cima de uma prateleira, com um fio pendente. Na hora da “mágica” a fadinha encostava a varinha de condão na prateleira, e puxava, disfarçadamente, aquele fio ali pendurado, fazendo com que as estrelinhas caíssem, o que causava surpresa para quem assistia. Quando as crianças saiam, as estrelinhas eram recolocadas em cima da prateleira.

Outro truque: A fada tocava com sua varinha num vaso na mesa da bibliotecária, que então puxava um fio escondido, e surgia um bouquet de flores coloridas. ( o vaso era mais largo na parte de cima e as flores estavam bem abaixo da linha de visão, dentro do vaso. Quando a bibliotecária puxava o fio, as flores apareciam, e a ponta do fio era amarrada no trinco da gaveta da mesa, para que as flores não escorregassem de novo para dentro). Após a saída das crianças, o fio era solto e as flores retornavam para o fundo do vaso.

Clique aqui p/ ver o Diálogo da Fada utilizado na época.

 

OFICINA DE BRINQUEDOS FOLCLÓRICOS
Antigamente as crianças não tinham oportunidade de brincar com muitos brinquedos industrializados, porque era difícil encontra-los e quando existiam, custavam alto preço.
O problema era resolvido com a confecção  de muitos brinquedos em casa, ou comprados de alguém que os produzia artesanalmente. Os avós, as tias e empregados da casa eram os que muitas vezes  confeccionavam e ensinavam a brincar com bonecas de pano, petecas, pandorgas, 5 marias , bilboquês, caleidoscópios ,joguinhos,  bolas de meia e muitos outros.
Para tentar contar para as crianças e reviver com elas como eram  boas aquelas brincadeiras, resolvemos fazer uma Oficina de Brinquedos  Folclóricos na biblioteca, no mês de agosto, mês do folclore .
Um canto da sala foi reservado para a oficina onde a cada dia se ensinava a fazer um tipo de brinquedo folclórico, que depois era colocado em exposição, junto com muitos outros. No mural estavam expostos textos, fotos e desenhos sobre o assunto , complementando o que era ensinado e explicando tipos diferentes de brincadeiras, como “ovo choco”, “amarelinha”, adivinhações, charadas, pião e bolas de gude.  Sucesso total…mas o chão da biblioteca nunca tinha ficado tão cheio de papeis picados e outras coisas mais…
Foi bom também para fazer com que as crianças percebessem que nem sempre o melhor brinquedo é o que custa caro…

Veja aqui alguns exemplos destes brinquedos.

 

EXPOSIÇÕES DE FOLCLOREExposição folclórica001

Na própria biblioteca, ou em outros ambientes, promovidas pela mesma, foram sempre realizadas exposições sobre o assunto, pois é muito importante que as crianças tenham conhecimento sobre o folclore, principalmente sobre o de nosso país.

Entre tantas outras, destacamos aqui algumas das informações que lá eram colocadas, e que todos gostavam de apreciar:

Adivinhações e Charadas

Ditados Populares

Ditados Populares – Adaptação cômica

Frases de Para-choques de Caminhão

Pão-por-Deus

Parlendas

Trava-Línguas

 

Não se esqueça de conferir também OUTROS EVENTOS, CONCURSOS LITERÁRIOS, DIA DOS PROFESSORESDIA DAS CRIANÇAS e 
BIBLIOTECA MAIS ATRATIVA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *